domingo, 30 de junho de 2013

Os 20 Centavos, a Fábula e a Realidade


Aqui começa a fábula.

Robim Hood, (uma lenda até na Inglaterra) reúne os seus amigos, os miseráveis da floresta de Sherwood com seus pares e parentes (uma realidade na bretanha de outrora) para lutar contra o aumento de (vinte centavos) imposto dado pelo Sheriff of Nottingham, aos felizes trabalhadores, estudantes e vagabundos de então naquelas bucólicas paragens.

O tal Sheriff é uma figura real do Reino Unido de então, “pau mandado” do príncipe João que por sua vez é irmão do rei Ricardo (Ricardo Coração de Leão). 
 








Robin Shoots with Sir Guy - Rhead, Louis. "Robin Hood e seu bando de foras da lei: suas famosas façanhas na floresta de Sherwood." New York: Blue Ribbon Books, 1912.





O lendário “Príncipe dos Ladrões” reuniu sob a sua égide um tão grande número de pessoas para fazer frente ao Sheriff, que ele e seus asseclas cederam ao clamor público revogando o aumento imposto anteriormente e como brinde ainda disseram ao povo que estavam certos em tal manifestação, em comemoração a isso fizeram (à toque de caixa) uma lei revogando a Lei da Gravidade Universal e então para consumar a felicidade geral do povo o Sheriff of Nottingham prometeu uma (caríssima) consulta popular só para saber se seu povo gostaria de continuar vivo e serem todos felizes naquelas paragens.

A plebe feliz com a “avassaladora” vitória, foi para casa sem gastar na volta vinte centavos a mais e contentíssima com o que já possuíam sem que nada de novo e de bom ter sido acrescentado às suas miseráveis vidas que já não tivessem por lei, direito e lógica.

Enquanto isso o lucro da exploração normanda sobre os bretões continuava a seguir feliz e saltitante para além mar, onde iriam beneficiar “Suas Majestades” só Deus sabe quais.

Aqui termina a fábula e começa a realidade.

O Sheriff of Nottingham (figura real tanto lá como cá e alhures), é ainda um “pau mandado” de algum príncipe o qual por sua vez continua no trono, como se nada houvesse acontecido, mandando agora mais do que nunca na Terra R$ do $ & Cia. Ltda. - (Traduzindo:- [na Terra Real do Euro Dollar e Companhia Limitada])








Sheriff of Nottingham - Rhead, Louis. "Robin Hood e seu bando de foras da lei: suas famosas façanhas na floresta de Sherwood." New York: Blue Ribbon Books, 1912.







Os lucros da exploração do público e o resultado do desvio (roubo) de parte do erário (tanto de lá como de cá e de alhures) continuam a ser propriedade exclusiva dos “novos antigos normandos” (ontem e hoje falidos, monetária e moralmente) como sempre foi e será.

Robim Hood, que é uma lenda lá continua uma lenda; anonimo, um sonho e uma sombra, tanto aqui como acolá e em todos os lugares da Terra; é uma miragem, uma fumaça, uma virtualidade em torno da qual se agrupa as urbes perdidas, sem rumo ou com um futuro indesejável, mantida tão ignorante como dantes pelos arautos dos reis, arautos estes por reis ou seus prepostos pagos ou financiados, quando não são por eles subornados ou chantageados.

Os miseráveis da floresta de Sherwood com seus pares, parentes e parcos pertences, uma realidade tanto lá como cá e em qualquer outro lugar continuam tão miseráveis e alienados como eram antigamente, senão mais ainda.

Tapeados e trapaceados, vivem de esperanças, confiantes na honestidade dos desonestos, na generosidade dos infames e sórdidos, na clemência dos maus e inclementes, sempre vestindo a juba(1) com muito e caríssimo circo para ver, com pouco pão para comer e este não mais ganho com o suor da sua face, (gên.: 3,19) ora mascarada, mas com a miséria física, intelectual e moral de si e de toda a sua família.

Quanto aos vinte centavos, estes serão repostos em sua totalidade, com todos os exorbitantes e extorsivos juros, dignos do Guinness World Records, nos bolsos de quem deveriam ir parar inicialmente graças às absurdas e mirabolantes artimanhas legais habilmente elaboradas e disfarçadas para esta e outras finalidades todas inconfessáveis.

Tais engenhos estes, diabólicos, tem por finalidade apenas perpetrar a extorsão criminosa de valores do erário e manter o povo sempre indefeso e cativo, para que a ganância descomunal de uns poucos possa ser amplamente e fartamente saciada.

(1) Alegoria à área “Vesti la giubba” da ópera Pagliacci de Ruggero Leoncavallo.








Cover of the first edition of Pagliacci published by E. Sonzogno, Milan, 1892
Casa Sonzogno









Aqui eu resolvi inserir uma apresentação rara, feita em 17 de março de 1907 por Enrico Caruso. (com todos os devidos chiados)

Vesti La Giubba (1907) - EnricoCaruso.mp3

 Vesti La Giubba
Letra em Italiano

Recitar! Mentre preso dal delirio,
non so più quel che dico,
e quel che faccio!
Eppur è d'uopo, sforzati!
Bah! Sei tu forse un uom?
Tu se' Pagliaccio!

Vesti la giubba,
e la faccia infarina.
La gente paga, e rider vuole qua.
E se Arlecchin t'invola Colombina,
ridi, Pagliaccio, e ognun applaudirà!
Tramuta in lazzi lo spasmo ed il pianto
in una smorfia il singhiozzo e 'l dolor, Ah!
Recitar! Mentre preso dal delirio,
non so più quel che dico,
e quel che faccio!
Eppur è d'uopo, sforzati!
Bah! Sei tu forse un uom?
Tu se' Pagliaccio!

Vesti la giubba,
e la faccia infarina.
La gente paga, e rider vuole qua.
E se Arlecchin t'invola Colombina,
ridi, Pagliaccio, e ognun applaudirà!
Tramuta in lazzi lo spasmo ed il pianto
in una smorfia il singhiozzo e 'l dolor, Ah!

Ridi, Pagliaccio,
sul tuo amore infranto!
Ridi del duol, che t'avvelena il cor!
Ridi, Pagliaccio,
sul tuo amore infranto!
Ridi del duol, che t'avvelena il cor!
 

João sem terra (João I) Rei da Inglaterra,
Duque da Normandia e Duque da Aquitânia de 1199 a 1216
John of England signs Magna Carta.
Image from Cassell's History of England - Century Edition - published circa 1902
Scan by Tagishsimon, 23rd June 2004

Quanto ao irmão do príncipe João, Richard Plantagenet, o rei Ricardo I “Ricardo Coração de Leão”, foi rei da Inglaterra de 1189 a 1199 e considerado ainda em vida como um grande líder militar e um dos principais líderes no comando na Terceira Cruzada (1189 – 1192), ele nasceu pelo calendário juliano, em 8 de Setembro de 1157 em Oxford, Inglaterra, e morreu aos 41 anos no dia 6 Abril 1199 em Chalus na França.

Rei da Inglaterra,
Duque da Normandia e Aquitânia
Conde de Anjou
Richard I of England – Autor desconhecido
cerca de 1620 - Provavelmente 100 anos mais antiga
BritRoyals.com



Fontes:-


São Paulo, SP, 28 de Junho de 2013

Mkmouse


Postar um comentário