sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Minha janela de frente para o crime.


Quando alguém ultrapassa a metade de um século, passa a ter uma doença que o impede de ver o que é invisível, só consegue ver o que visível na sociedade.
Ignaz Günther:Chronos, um 1765-75,
Lindenholz weiß gefasst, Bayerisches Nationalmuseum in München

A sociedade está doente, morrendo naufraga em meio aos seus próprios dejetos, excrementos, lixo e isso é assim por todo o mundo.

A Africa nada mais é que o quintal dos povos autodenominados de “primeiro mundo”, onde todo o tipo de testes são executados, de onde se extrai tudo o que é bom e se deixa tudo o que não presta, o que é ruim; e uma vez exauridas as riquezas são abandonados à própria sorte a mercê de sua miséria quase infinita.
Candido Portinari, Criança Morta, 1944 - Óleo s/ tela, 176 x 190 cm.

Na Africa quando algo dá errado e os planos dos povos do primeiro mundo podem aparecer em toda a sua crueldade, a fome é de imediato culpada e passa a mascarar a realidade; um bando de roqueiros, revoltados com os eventos da fome, se unem às ongues de direito e da hora, conseguem fazer aparecer valores mais que suficiente para curar a fome daquele local, o que no final das contas nunca acontece e também nunca é mostrado pelas mídias mundiais que cobriam o lucrativo evento, escondendo a verdade da morte dolosa, atrás da máscara da morte pela fome, pela inanição, pela miséria.

A América do norte por sua vês é o único país do mundo que tem como maior inimigo o seu próprio governo e só o povo norte americano não sabe disto.
Estão mergulhados, e a anos e afundando, cada dia mais em um poço sem fundo, fruto da ambição desmedida de uns poucos e obscuros cidadãos, que jamais deixarão de serem ricos mesmo que para isso só eles tenham que existir no planeta.

O governo norte americano cria guerras sob qualquer pretexto simplesmente para continuar lucrando com algo seja lá este algo o que for.

Para conseguir estes intentos se for preciso, o governo norte americano inventa fantasmas para serem perseguidos e mortos pelos exércitos da democracia, ou ainda matar, se necessário for, centenas de cidadão norte americanos só para motivar o patriotismo e esconder alguma coisa inconveniente.
Capa de livro japonês - 1945

A Europa o grande aliado dos EUA, para esconder as desgraças em que se meteu por seguir este aliado infeliz, culpa gregos, portugueses e romanos pelas desgraças do seu Euro.
A Asia, e falo apenas da China, quiça do Japão também, serão os verdadeiros países do futuro, as verdadeiras potências mundiais e isso graças à ganância desmedida das empresas que pela avidez por lucros fácil e rápido, transferiram todo o seu conhecimento industrial para a China e o Japão por causa, dentre outras, da mão de obra mais barata.
Quando o ocidente acordar o planeta Terra terá um sinônimo, isso se não mudou definitivamente de nome:- China!

A América do Sul, é uma Africa de reserva para os ocidentais, uma colcha de republiquetas populistas voltadas apenas para si mesmas e os lucros que caem das mesas de banquete dos verdadeiros donos deste canto do planeta.

Por fim o Brasil, o país onde eu vivo.
Este é o único país do planeta cujo maior inimigo que possui é o seu próprio povo.

É o único país do mundo que quando há um evento internacional e o governo brasileiro precisa impressionar algo ou alguém a criminalidade cai quase a zero e quando o evento passa volta aos noticiários com toda força, até hoje eu não entendi o porque desta fantástica oscilação do padrão de volume de crimes cometidos pelo país.

É o único país do mundo onde eu vejo o criminoso cheio de direitos legais e com atendimento especial dado pelos representantes dos direitos humanos, enquanto a vítima quando tem muito, nada tem.

Por isto em face a tanta nulidades, nada mais me resta senão copiar para cá letra da música de João Bosco.

De Frente Pro Crime.

Ta lá o corpo estendido no chão...
Em vez de rosto uma foto de um gol,
Em vez de reza, uma praga de alguém
E um silêncio servindo de amém.

O bar mais perto, depressa lotou.
Malandro junto com trabalhador.
Um homem subiu na mesa do bar
E fez discurso pra vereador .

Veio o camelô, vender
Anel, cordão, perfume barato.
Baiana pra fazer pastel
E um bom churrasco de gato

Quatro horas da manhã
Baixou o santo na porta-bandeira
E a moçada resolveu
Parar e então...

Ta lá o corpo estendido no chão...
Em vez de rosto uma foto de um gol,
Em vez de reza uma praga de alguém,
E um silêncio servindo de amem.

Sem pressa foi cada um pro seu lado,
Pensando numa mulher ou num time.
Olhei o corpo no chão e fechei
Minha janela de frente pro crime...


Provérbios 1

31 – Comerão pois os frutos do seu proceder e fartar-se-ão dos seus conselhos.

32 – A indocilidade dos ignorantes os matará, e a prosperidade dos insensatos os perderá.
mkmouse








Postar um comentário