terça-feira, 2 de junho de 2009

E o Rato vai ao Cinema

.

Eu vi o último filme da Star Trek.

Por motivos que me são próprios, não o pude ver na "telona", mas nas minhas telinhas deu para ver.

E sabem?

Não gostei do que vi.

Eu esperava muito mais que simples efeitos especiais por parte da Paramount, eu esperava um enredo, um filme nos moldes da série onde não só a ordem, a honra e a lei eram respeitados, mas também as raças alienígenas recebiam o devido respeito a despeito do que possam ser ou fazer em relação aos costumes abraçados pelos mocinhos da fita.

Eu esperava muito mais da Paramount que um simples enlatado americano para fazer dinheiro fácil mediante uma maciça propaganda em cima dos fans, que por sinal são muitos sobre a Terra.

O que vi, considerei um insulto.

Eu vi o desrespeito à lei e à ordem, uma história que sinceramente por mais que me esforce não tem pé nem cabeça, resume-se apenas em um ronulano maluco a destruir planetas (e com eles as criaturas ali existentes) só porque Spock não salvou o planeta dele da extinção e um bando de aventureiros tirando idéias do mais absoluto nada a enfrenta-lo culminando em um final mais que previsto, com a vantagem de não ser definitivo quanto á destruição do romulano maluco abrindo aí, infelizmente, uma brecha para mais uma aparição deste tema.

Este roteiro infeliz lembrou-se do inseto que se enfiava em infelizes tripulantes como tortura, mas não se lembrou do episódio, ou nem sabia que o tema era recorrente, onde um planeta à beira da extinção pela explosão de uma Nova, mandava os seus habitantes para outros lugares no tempo e no espaço. (Kirk, Spock e McCoy estavam lá)

A história é ruim a tal ponto de esquecerem-se que o Romulano em causa era um viajante do tempo e que o mais lógico (romulanos são aparentados com vulcanos e tem comum o raciocínio) seria tentar evitar a catástrofe do que vingar-se e no passado, sobre povos que nada tinha a ver com a falta de imaginação do criador do roteiro.

É tão ruim o enredo que precisamos imaginar um povo altamente evoluído, mas com uma moral (para os nossos padrões) muito baixa em busca de vingança e com o poder de viajar no tempo, perdendo o seu tempo destruindo coisas que nada tinham a haver com o seu alvo, que por sinal e apesar de conhecê-lo, não o sabia como localiza-lo; o sr. Spock especificamente.

Será que este roteirista não sabia que vulcanos são lógicos e que emoção não faz parte da sua personalidade, logo vingança não tem nenhum significado para um vulcano maior que um ato ilógico e irracional?

O fato de ser Spock meio vulcano é irrelevante, pois o povo de vulcano é vulcano apenas isso.

Enfim, o roteiro transformou todos os vulcanos em criaturas com emoções, transformou o Capitão Kirk em um moleque inconseqüente, irresponsável e aventureiro, transformou a Federação dos Planetas em um bando de palhaços que pensam que mandam em alguma coisa, manchou a reputação da Academia da Frota Estelar com as tintas da incompetência acadêmica e disciplinar e enfim mostrou ao mundo que uma nave estelar (da Federação) pode ser comandada por qualquer um seja ele quem ou o que for, desde que seja alguém ou sei lá o que, com um nome famoso.

Esse filme parece que foi feito ou tramado por intelectuais e políticos brasileiros, os adjetivos que escrevi no parágrafo anterior faz parte hoje de nosso cotidiano mais vulgar em todas as áreas desta nação.

Se os engendradores desta perfídia em forma de filme, tinham como objetivo abrir novas e saudáveis perspectivas para uma provável continuação da série, e não financeiras apenas, falharam redondamente mas, se os objetivos foram apenas financeiros (e a possibilidade de dar certo eu acho muito grande) gostaria eu e sinceramente, que não venha a se concretizar e que seja um fracasso na mesma medida que é pobre e mesquinha a trama.

A existência de um Universo sem lógica só existe em mentes megalíticas de ignóbeis criaturas e foi para esse Universo a porta que este filme abriu.

É compreensível o meu, o seu, ou o nosso não entendimento das coisas do Universo, mas o que é inadmissível é afirmarmos (o que o filme o faz) que por não ser possível a compreensão humana o Universo é um caos e por isso aceita qualquer coisa ou idéia.

O que a série, que é uma ficção científica, sempre mostrou foi que o Universo tem leis que tem por hábito ultrapassar os parâmetros de compreensão da criatura e estas leis não podem, simplesmente não podem nem tem como serem violadas.

A série mostrou também o que pode ser feito pelo engenho humano ou não, mostrou que só é possível crescer, até mesmo ao infinito chegar, com o tempo e mediante um esforço, individual ou coletivo, conjugado ao aprendizado e à cooperação inter racial.

Na maneira de ver deste Rato este novo filme da Star Trek, é uma grande decepção, é apelativo, é uma apologia à irresponsabilidade se não ao crime, não diz nada nem acrescenta nada de novo além de ser mais um filme na relação de filmes já existentes.

Star Trek The Future Begins, é apenas mais um filme de ficção e só.

Postar um comentário